fbpx

Terapias alternativas – métodos úteis para manter o bem-estar (Parte II)

Neste: Terapias alternativas – métodos úteis para manter o bem-estar (Parte II)

Anterior: Terapias alternativas – Métodos úteis para manter o Bem-estar (Parte I)

Você sabe o que é Meloterapia ou Musicoterapia?

A meloterapia ou musicoterapia é uma forma de psicoterapia que usa a música de várias formas e maneiras para melhorar a saúde física e mental do indivíduo. Os terapeutas usam a música porque é uma forma de estimulação sensorial, que tem efeitos sobre a psique (relaxamento, desenvolvimento e melhora de habilidades, expressão de emoções e sentimentos de forma não verbal) e condição física (recuperação física, melhora de movimento) . A meloterapia é usada como tratamento autônomo ou como método complementar, junto com o tratamento convencional. 

A musicoterapia não tem uma história muito longa, embora os benefícios da música tenham sido reconhecidos desde a antiguidade pelos filósofos da época. O início da meloterapia remonta à Segunda Guerra Mundial, quando os médicos consideravam que a música poderia ser usada para tratar soldados que haviam sofrido trauma e choque com as explosões de guerra. 

Ultimamente, a música e seus efeitos no cérebro humano e no corpo em geral começaram a ser estudados cada vez mais, porque os cientistas chegaram à conclusão de que são muito pouco compreendidos. Os estudos realizados até à data têm demonstrado que existe uma diferença significativa nos resultados das provas académicas entre os alunos formados em música e os não formados, no sentido de que os primeiros obtêm resultados muito melhores do que os segundos. Outro estudo mostrou que a música que ouvimos tem o papel de ativar espontaneamente as áreas do cérebro relacionadas à representação do espaço. No nível do organismo, a música tem a capacidade de agir sobre a circulação sanguínea: em pacientes com doenças vasculares e que ouviam música ao seu gosto, havia uma dilatação significativa dos vasos sanguíneos. 

Como funciona a musicoterapia?

 A musicoterapia envolve várias formas de realização, desde simplesmente ouvir música até criar música. A forma como a terapia é realizada depende muito do problema a ser tratado, do objetivo da terapia, mas também das possibilidades do paciente (criatividade, habilidades artísticas, a possibilidade de ser afetado por doenças neuropsicológicas, etc. )

Improvisação – envolve o paciente se expressar livremente, espontaneamente, por meio da criação de linhas melódicas, seja sozinho ou com o terapeuta ou grupo de terapia. O paciente geralmente é solicitado a expressar através da música os sentimentos que está vivenciando, os eventos, situações e pessoas importantes para ele. A improvisação aplica-se a quem pretende desenvolver a sua criatividade, comunicação e espontaneidade.

Interpretação – o paciente canta, vocalmente ou em determinados instrumentos, canções já existentes. Aplica-se a quem pretende desenvolver a capacidade de aprendizagem, a memória, a quem tem problemas de fluência na comunicação ou dificuldade de adaptação (na interpretação em grupo). Os instrumentos musicais são indicados para pessoas com dificuldades de coordenação motora, pessoas impulsivas ou crianças, para ajudá-los a compreender melhor o mundo dos objetos.

Composição – tem um caráter mais técnico; o paciente é solicitado a escrever letras, compor canções, fazer videoclipes. É semelhante à composição no sentido de que ajuda o paciente a expressar livremente suas emoções, preocupações, medos, etc.

Ouvir música – tem uma ampla utilização, em cujo pano de fundo podem ser feitas discussões sobre os sentimentos e reações suscitados pela música, mas também diferentes atividades: meditação, relaxamento, associações livres, etc. Ouvir música significa superar algumas barreiras que impedem a verbalização e a expressão.

Essas formas de terapia podem ser combinadas e a terapia pode ser realizada individualmente ou em grupo. (1)

Prós e contras

A meloterapia é uma forma de terapia que envolve a expressão do paciente de forma não verbal, sendo semelhante nesse aspecto à arte-terapia ou à dança-terapia. Embora alguns efeitos benéficos da música sejam unanimemente aceitos, a musicoterapia tem benefícios e contra-indicações. 

Aqui estão alguns deles:

Argumentos profissionais

A música pode criar um ambiente confortável e seguro para o paciente, e os efeitos negativos são quase inexistentes se o terapeuta for uma pessoa bem treinada que conhece o mecanismo terapêutico da música.

A música é uma forma de tratamento que não custa caro e está à disposição de quem quiser experimentar.

A musicoterapia atende a uma ampla gama de pacientes, de crianças a idosos, de pessoas saudáveis ​​a pacientes que sofrem de distúrbios motores ou mentais. 

Pesquisas mostram que a música estimula o cérebro a produzir aquelas substâncias que nos fazem sentir bem, ou seja, a liberação de dopamina no cérebro.

A meloterapia oferece a possibilidade de expressão sem o uso de palavras, tanto para pessoas saudáveis ​​quanto para portadores de transtornos mentais, para os quais é muito mais difícil se expressar verbalmente.

Efeito terapêutico da meloterapia – O que os estudos mostram?

A musicoterapia foi e ainda é intensamente estudada. Os cientistas foram além do efeito relaxante e calmante que a música tem sobre aqueles que a ouvem e tentaram ver o que acontece se a musicoterapia for aplicada a pacientes que sofrem de várias doenças. Os resultados obtidos foram contraditórios ou positivos, mas insuficientes ou negativos. Portanto, a conclusão geral é que as pesquisas devem continuar e ser ampliadas para que os resultados sejam aceitos por unanimidade.

 Aqui estão algumas categorias de condições e distúrbios e como os estudos mostraram que a meloterapia funciona sobre eles:

Terapia musical para ansiedade

A musicoterapia demonstrou ter o potencial de reduzir a ansiedade que os pacientes sentem antes de intervenções e procedimentos médicos. Uma meta-análise do Instituto Cochrane avaliou uma série de estudos que usaram “intervenções musicais” como um substituto para sedativos comumente usados ​​para reduzir a ansiedade antes da cirurgia. Embora nem todos tenham aderido a uma metodologia de testes clínicos rigorosos, concluíram que a meloterapia pode ter efeitos benéficos ao reduzir a ansiedade, acalmar e acalmar os pacientes, sem produzir efeitos colaterais, como os medicamentos e sedativos. 

Musicoterapia para esquizofrenia e distúrbios semelhantes

Estudos nesta área têm demonstrado que, se forem realizadas sessões de meloterapia suficientes, a música pode ser benéfica para melhorar o estado mental desses pacientes. No entanto, isso não significa que a música possa curar esses distúrbios. (15)

Musicoterapia para o câncer

A meloterapia não pode tratar ou prevenir qualquer forma de câncer, mas pode ter efeitos benéficos no humor dos pacientes, reduzir a ansiedade e o medo ou aliviar os efeitos colaterais da medicação convencional (náuseas, tonturas). No caso de crianças com câncer, estudos mostram que, por meio da musicoterapia, elas se tornam mais comunicativas e cooperativas com o tratamento. Além disso, em um estudo, crianças com leucemia que ouviu música durante uma punção lombar sentiu menos dor e teve menor frequência cardíaca e frequência cardíaca do que aqueles que não ouviram música. No entanto, a musicoterapia não tem efeito sobre a fadiga e, em termos de dor, os resultados são insuficientes e contraditórios. 

Terapia musical para autismo

Para crianças com autismo, para as quais a comunicação é muito difícil e que têm problemas de comportamento, a musicoterapia pode ser uma alternativa em potencial. Três estudos foram analisados ​​por pesquisadores do Instituto Cochrane, que mostraram um efeito maior da meloterapia do que o efeito placebo nessas crianças, mas os resultados ainda não podem ser generalizados devido ao pequeno número de sujeitos e alguns métodos experimentais que devem ser aprimorados. . Portanto, mais pesquisas são necessárias nessa área também.

Musicoterapia para a recuperação de um ataque cardíaco

Um estudo com pacientes que tiveram um ataque cardíaco recentemente mostrou que a exposição à música não apenas acelerou seu período de recuperação física, mas também teve efeitos positivos na função cognitiva. 

Terapia musical para dor

Em uma análise de estudos sobre métodos convencionais e alternativos de redução da dor do parto, vários tratamentos e remédios foram considerados. A musicoterapia teve resultados conflitantes: em alguns estudos, ouvir música tranquila durante o último trimestre da gravidez e antes do nascimento não teve relaxamento ou redução da necessidade de tomar anestésicos para a dor, enquanto em outros estudos ouvir música reduziu significativamente a dor do parto e aumentou o nível de satisfação das novas mães. Por ainda não haver consenso sobre o efeito da música na obstetrícia, mais estudos são necessários. 

Outra análise considerou o tratamento musical para a dor em geral. Embora os resultados tenham mostrado redução da dor e necessidade do paciente em tomar analgésicos, os pesquisadores não estão convencidos da relevância e magnitude que um tratamento baseado em música pode ter no manejo da dor, portanto, mesmo neste caso, são necessários estudos adicionais. 

E para terminar, vamos aos produtos que selecionei para você:

1- Óleo vegetal de Abacate Laszlo. Poderoso hidratante, esse óleo vegetal prensado a frio, por ser extra-virgem, mantém intactas suas propriedades naturais.

2- Óleo Essencial Limão Siciliano Via Aroma. O óleo essencial Limão Siciliano possui efeito refrescante e estimulante, despertando o corpo e a mente, ajudando a clarear as ideias. É excelente antisséptico, de grande ação bactericida. Combate à insônia, antidepressivo e depurativo, é um excelente tônico geral.

3- Pulseira de Sodalita. Elimina o medo, equilibra as emoções, acalma e estabiliza a mente. Assim harmonizando o corpo e a mente.

4- Óleo Essencial Sálvia Esclareia Laszlo Gt EUA 5 ML. É um ótimo produto para uso estético e medicinal. Ele ajuda a equilibrar hormônios e combater doenças femininas.

5- Placa Gráfico Prosperador de Bolso – Gráfico em Cobre. É uma ferramenta de desbloqueio dos caminhos para a prosperidade, retira obstáculos que possam estar atrapalhando sua prosperidade. E atraindo as energias positivas da prosperidade

 

Artigos da série:

Terapias alternativas – Métodos úteis para manter o Bem-estar (Parte I)

  1. Dança do Ventre como Terapia
  2. Terapia da Compaixão
  3. A Terapia de desistir de sofrer
  4. Terapia com Gua Sha: massagem com pedras
  5. A arte como Terapia

Terapias alternativas – métodos úteis para manter o bem-estar (Parte II)

Deixe um comentário